×

VLM e VS50 – o que sabemos até agora?

VLM e VS50 – o que sabemos até agora?

Em dezembro de 2023, entramos em contato, pela lei de acesso a informação, com a Agência Espacial Brasileira, AEB, pedindo imagens e informações sobre os últimos testes do motor foguete S-50, que equipará o primeiro estágio do Veículo Suborbital 50, ou VS-50, e o Segundo e Primeiro estágios do Veiculo Lançador de Microssatélites, VLM-1

Em nosso comunicado, falamos o seguinte para a AEB:

Quando foi contratado com a avibrás sobre a fabricação dos motores S50, quantos motores realmente foram solicitados (gostaria da resposta com o contrato na integra), e desde então quantos motores foram entregues e quais foram os destinos deles, se possível, disponibilize imagens dos testes, além disso existem notícias antigas que falam em 8 motores encomendados e noticias atuais que falam em 6 motores encomendados, por favor esclareça essa situação

Redação Revista Foguetes Brasileiros

Em resposta a AEB disse o seguinte:

Esta Coordenação informa que o contrato de fabricação de 6 (seis) envelopes motores S-50 com a empresa Avibras foi realizado em dezembro de 2016, via convênio do VLM-1. Foram previstos incialmente 4 (quatro) motores para o processo de qualificação em solo do Motor S50 e 2 (dois) últimos motores para voos do VS-50 V01 e para o VS-50 V02. Os motores para voo do VLM-1 (o que seriam mais 2 motores S-50, totalizando 8) ainda não foram contratados. […] Por fim, as imagens dos testes estão no Anexo 1

Coordenação de Veículos Lançadores – Agência Espacial Brasileira

Tivemos acesso ao contrato na integra, e a Avibras, contratada sem licitação, recebeu quase 70 milhões de reais para desenvolver o S-50

O contrato diz que deveriam ser entregues os motores em até 26 meses contados a partir do dia 11 de setembro de 2015, sendo assim deveria ter sido entregue no dia 11 de novembro de 2017, estando 6 anos atrasada

Print da notícia no site

Porém no novo documento entregue pela AEB, diz que os motores ja foram entregues em Dezembro de 2023, e teremos um teste estático em junho de 2024, data essa que não foi alterada

E então somente após os testes em solo que os últimos dois motores contratados começarão a ser construídos para fazerem o teste em voo suborbital do VS50, e depois de tudo isso que a Avibrás será contratada para fabricar o VLM, o que é um balde de agua fria, com essa demora e burocracia o VLM pode ser adiado ou cancelado

Em compensação recebemos imagens dos testes até então realizados, além de algumas imagens inéditas:

Teste de Ruptura de 2018 com o primeiro motor em 2018, que foi destruído no teste
Ensaio estrutural e teste de abastecimento de propelente sólido inerte com o segundo motor em 2019
Montagem completa do VS50 na plataforma com o segundo motor e com combustível inerte em 2022
E finalizando, imagens do terceiro motor realizando um teste estático em 2021

O teste com o segundo motor onde um Mockup do VS50 foi montado no PAD não havia sido divulgado, somente uma imagem desse Mockup guardado em um Hangar do IAE

Imagem do VS50 em um hangar do IAE

Veja aqui melhor essas imagens do teste:

Abaixo leia os arquivos que foram fonte dessa pesquisa na integra:

Todas as informações foram acessadas via Lei de Acesso a Informação, e a reportagem na integra é aberta para ser republicada

Share this content:

11 comentários

comments user
Anônimo

Como sempre, Raul Carlos, reportagens absolutamente oportunas e sólidas. Permita-me fazer apenas um resumo de forma diferente, em relação aos quatro motores S50 fabricados até o momento pela Avibrás:

-1º motor: foi destruído no teste hidrostático em 2018.

-2º motor: carregado com propelente inerte, foi adicionalmente utilizado em duas /três etapas:

a-Teste de transporte num C-130 da FAB em Setembro/20, para levantamento de dados dinâmicos. (Publicado no site da FAB).

b-Operação Santa Maria-2, realizada em junho/21,onde juntamente com a saia traseira e as empenas, foi instalado no pad da TMI em Alcântara. (Publicado no site da FAB),

c-Operação Santa Maria-3, realizada em ?/22, com o mockup completo do VS-50. (Publicado por Revista Foguetes Brasileiros, nesta data).

-3º motor: Utilizado com sucesso para o primeiro teste em banco na Coronel Abner, em outubro/21.

PS: Na foto da visita do DLR ao IAE em agosto /23, publicada por Revista Foguetes Brasileiros, com o mockup do VS-50 ao fundo, mostra a existência de três motores S50: o da direita certamente foi para desenvolvimento do processo produtivo. Os outros dois(um no piso, o outro no mockup) supostamente devem ser o 2º e o 3º.

-4º motor: Carregamento finalizado em dezembro/23 (conforme nota Avibrás), em fase de inspeção para liberação para o IAE em fevereiro/24, onde sofrerá a integração da tubeira móvel pelo DLR, e preparativos para o 2º teste em banco em junho/24.

Caso o 2º teste em banco venha somente ocorrer em junho/24, e a partir dele então serem fabricados os dois motores restantes, pairam muitas dúvidas para o vôo do VS-50 v1 no final/24, como já foi veiculado anteriormente.

Está andando, é verdade. Mas corre o risco do VLPP voar primeiro que o VLM…… E o Tronador argentino também.

    comments user
    Raul Carlos

    muito obrigado pelo comentário

comments user
Anônimo

Obrigado a você pela qualidade do trabalho, e abertura de espaço para expressão responsável. A sua reportagem anterior sobre o orçamento mostra a razão da lentidão do VLM. Apenas 6,7% do orçamento total-2023 foi utilizado para a rubrica “acesso ao espaço”. Ou seja, muito pouco de pouco é quase nada……

Interessante que a foto do mockup do VS-50 no pad da TMI em Alcântara está sem os umbilicais instalados, o que entendi, era previsto também de ser feito na Operação Santa Maria-3. Talvez o mockup não contenha o módulo de comando, o GNC e a carga útil (SISNAV).

Ela também mostra o módulo interestágio, que certamente já teve o teste de separação feito, assim como o anel superior.

Como já comentei: o roadmap é bom, o que mata é a velocidade.

comments user
Anônimo

O VLM é um projeto que nasceu destinado ao fracasso, por razões técnicas, financeiras e geopoliticas.Mas é importantes a conclusão do desenvolvimento do motor S-50, para no futuro ser aproveitado de alguma maneira no PEB.

comments user
Anônimo

Faz sentido. Mais importante os vôos do VS-50 para qualificação em vôo do S-50, do que o VLM propriamente dito, que será apenas um testbench para uma nova família de lançadores. Um roadmap já apresentado no passado.

comments user
Anônimo

A avibras que parece ser lenta, e impressionante a demora deles! Se for assim e muito melhor contratar uma privada!

comments user
Anônimo

Absolutamente correto. Independente das razões, levou-se mais de dois anos para entrega do segundo motor para teste em banco para sua qualificação propulsiva, que deve ser concluída com o teste programado para junho/24. A se conferir quanto tempo será gasto para entrega dos dois motores finais para os voos de qualificação do VS-50. Entendo que é muito tarde para refazer toda a rota tecnológica do S50 com outra empresa. Não tem dinheiro nem tempo para isso. Estamos a mercê da situação atual. Neste ano de 2024 vamos saber se isto terá um final feliz, ou não. Está nas mãos do IAE em gerir de forma acertiva esse final de contrato delicado.

comments user
Arthur_GamesYT20

Se o VLM sair do chão algum dia e for fazer aqueles novos foguetes liquidos, VLX Aquila. E melhor a AEB pegar uma privada. Deve ser mais rá

pido que a avibras.

comments user
Anônimo

O dirigente da AEB afirmou em entrevista de dez/23, que a data de lançamento do VS-50 v1 será março/25, como havia sido previsto pela Revista. Uma data plausível desde que a Avibrás entregue o primeiro motor S-50 de voo até o final de 2024.

Não seria uma tarefa difícil caso o EM já esteja em andamento, uma vez que a qualificação estrutural já estaria feita. O segundo tiro em banco visa apenas ajuste fino no propelente. Um motor inerte S44 deve ter no IAE. A parte alemã não deve ser problema. E falta a carga útil (SISNAV), por conta do IAE. Ou seja, factivel se não tivéssemos esse histórico horroroso de atrasos e a incerteza da Avibras.

    comments user
    Raul Carlos

    a maior parte das peças fornecidas pela alemanha ja estão no hangar do IAE, so falta a parte do Brasil mesmo

comments user
Alexandre V.Rodrigues

Raul Carlos. Importante no contexto atual, a opinião pública cada vez mais, acompanhar par e passo os projetos estratégicos do país. Nesse mês de fevereiro, o 4º motor-foguete S-50 deveria ter sido entregue pela Avibrás ao IAE, onde seria submetido a gamografia antes da integração do TVA pelo DLR, visando o teste em banco em junho. desse ano. Seria interessante confirmar se este importante evento foi concluído, com sucesso, para não descobrirmos no segundo semestre que temos um novo atraso………

Publicar comentário